Assuntos variados

Posted in Inútil with tags , , , , , , , , , on setembro 5, 2012 by brunoldw

O titulo do texto é “assuntos variados” porque tava afim de escrever sobre muitas coisas sem me prender a somente um assunto. Por isso irei escrevendo e colocando sub-titulos acima de cada assunto que surgir.

Escrita

Hoje eu estava pensando em escrever pro blog, por algum motivo que não sei qual já que se um dia eu tive alguma inspiração, acho que não tenho mais. Ou será que eu não sei mais escrever mesmo? Ou talvez nunca soube? Bom, segundo meu professor de português a inspiração é somente 10% de um texto (ou outro numero, mas digamos que seja 10). Eu não sei se concordo com isso, acho que escrever é como qualquer outra forma de arte, e como em todas as formas de arte a inspiração é algo extremamente necessário, assim como a concentração e a habilidade em desenvolver tal tarefa artística (não que eu ache que o que eu escreva aqui seja arte. A escrita é uma arte quando ela é feita pra ser vista como tal, e eu não faço e não tenho capacidade para fazer com que o que eu escrevo aqui vire arte, inclusive nem tenho esse propósito). Acredito que a escrita seja uma das mais belas formas de arte, pois a escrita também se mistura com a música e desperta os mesmos sentimentos que a música desperta. A escrita não depende da música, nem a música depende da escrita, mas quando se unem formam obras indescritíveis (quanto o artista é bom, é claro).

A escrita e a música são as duas formas de arte que eu mais aprecio. Talvez por eu manter contato com as duas desde muito cedo, não que eu pense que furacão 2000 seja uma expressão artística que merece ser citada, mas era o que tinha na minha época. Eu comecei a escrever quando eu aprendi a escrever (simples assim). Eu fazia textos numa máquina de escrever que os meus tios emprestaram pra minha familia, mas só eu usava. Digamos que minha infância se resumiu em 4 atividades:

1) Ouvir o cd do furacão 2000 (até quando eu não queria)

2) Jogar super-nintendo com as outras crianças da rua e mostrar que eu era realmente muito bom em morrer no primeiro mundo do mario, porém minhas habilidades no top gear causavam inveja em qualquer muleque criado a leite com pêra e merthiolate indolor.

3) Promover brincadeiras de segurança duvidosa (andar em cima de ruínas de galpões velhos a 3m do chão rodeado por objetos cortantes e enferrujados).

4) Escrever na máquina velha que tinha tinta só nas cores vermelho e preto e que travava toda hora.

Me lembro que o primeiro texto sério que eu escrevi foi quando briguei com meu pai por algum motivo que não me lembro, e como eu tinha medo de falar com ele e ele me chamar no hadouken, eu escrevi uma “carta” com um pedido de desculpas pra ele. Ficou uma merda.
 Meu pai

Tem várias histórias que envolvem meu pai. O que mais me chama a atenção atualmente e ver que meu pai tinha um espirito de troll quando eu era criança, por exemplo: Mensalmente meu pai ia até o centro da cidade pra pagar contas, e como eu não podia ficar sozinho em casa eu ia junto. No verão, como eu tava de férias da escola, toda ida ao centro do meu pai significava somente uma coisa pra mim: SORVETE. Sim, amigos. Eu saía do conforto da minha casa pra ir até o centro com o meu pai no calor pra ganhar UM MÍSERO SORVETE DE COPINHO. Mas meu pai manjava das putaria. Depois de um tempo acho que ele percebeu que o meu interesse de ir junto com ele era de ganhar um sorvete, mas ele sempre se oferecia pra pagar, eu nunca pedia. Como ele notou que eu só ia pelo sorvete, em um belo dia com um calor tão forte que a carne congelada pro jantar suava dentro do freezer, ele me perguntou: “Vamos no centro? Preciso pagar umas contas”, o meu cérebro entendeu: “Quer sorvete ou quer vai ficar jogando top gear no calor?”. E lá fui eu, feliz com a idéia de que ia ganhar um sorvete que provavelmente ia derreter e me sujar todo como sempre acontecia. Mas quando chegamos no centro e meu pai fez tudo o que tinha que fazer, ele me olhou e perguntou: “Quer comer algo?”. Eu com minha esperteza conhecida, tentei disfarçar a felicidade do sorvete que estava pra ser engolido sem dó nem piedade por mim e disse: “Pode ser”. Fomos felizes caminhando até a lojinha que tinha uma máquina de sorvete na frente, paramos e meu pai diz bem alto pra moça:”Da um crepe de frango pro guri, e um sorvete de copinho pra mim” PORRA PAI, TA FAZENDO 40 GRAUS E TU QUER ME DA UMA GALINHA MORTA COM UM PALITO ENFIADO NO CU E UMA MASSA QUEIMADA EM VOLTA? ME DA UM SORVETE MANO. Detalhe: o crepe custava 2,50 e o sorvete 1 real. Todas as vezes que fomos no centro depois disso ele sempre me dava crepe, menos no inverno que ele procurava maquina de sorvete e não achava (grazadeus).

Ah mano, me revoltei agora. Deu até vontade de comer crepe, não quero mais escrever não. Tchau.

Anúncios

A influência, o estilo de vida e a modinha

Posted in Cultura, Diversos with tags , , , , , , , on junho 23, 2012 by brunoldw

Atulmente, assim como a maioria de meus amigos, estou lendo o livro do Slash (aconselho fortemente), e nesse livro as histórias contadas por ele de quando era adolescente simplesmente nos deixa um tanto quanto espantados, mas ao mesmo tempo maravilhados com a dificuldade que foi pra ele chegar onde está e fazer o que faz, mesmo com a infância e adolescência que teve.

Todo mundo tem um idolo, e o meu grande idolo talvez seja James Hetfield. Ter um idolo significa se inspirar no trabalho de uma pessoa e fazer com que toda a história dessa pessoa te de forças pra lutar pelo que tu quer (odeio conjulgar verbo quando a pessoa verbal é tu, então vai ficar errado). A inspiração que um idolo da a um fã é uma coisa sensacional, a motivação para seguir em frente, aquele empurrãozinho que faltava pra você seguir seu sonho diferente de muitos que desistem dos mesmo. Mas muitos de nós (adolescentes, e muitas vezes fanáticos por nossos idolos) as vezes nos espelhamos tanto em alguém que achamos um ícone em nossa vida, que acabamos por tentar ficar iguais ao nosso idolo. A influência é sim uma coisa positiva, mas quando seguimos a risca os passos dos líderes que nos influenciam acabamos nos tornando novamente uns iguais aos outros. E é ai que entra o modismo.

O que nós queremos na verdade? Nos destacar, pelo menos a maioria quer. Seja em qual area for, queremos ser os melhores, os mais bem vistos. Mas tentamos traçar esse caminho de maneira errada. De que adianta seguirmos os passos de alguém que conseguiu realizar o seu sonho se o mundo ja viu essa história uma vez? Tudo que é repetitivo enjoa, e hoje em dia, tudo é repetitivo.

Nós saímos por ai, gritando a todo pulmão que a mídia não nos influencia, que somos do contra e que somos rebeldes. Que tipo de rebeldia é essa que todos nos vestimos da mesma forma, fazemos as mesmos coisas, temos as mesmas idéis, e o pior, idéias que nunca dão em nada. Idéis porcas e inúteis. Essa meus amigos, essa é a moda. Parem pra pensar comigo: Você provavelmente conhece algum adolescente que fuma, certo? Em geral os adolescentes que fumam, assim como eu, tem certa raiva quando falam que os mesmos fumam por modinha, e dão a explcação de que é um vício e não uma moda. Eu já fiz isso e noto o quão idiota é. SIM, todo fumante começou a fumar por que era “moda”, por que era “legal e descolado”. Ninguém nasce viciado em cigarro pra fumar unicamente por isso. No meio musical, principalmente no rock, fumar gera uma espécie de status que massageia nosso ego (e nós amamos isso), mas depois que vemos que é uma total bobagem não da mais pra parar, ai sim se torna um vício.

A música traz benefícios inimagináveis para todo mundo, isso se torna muitas vezes nosso estilo de vida. Viver para a música, ouvir a música, sentir a música… fazer a música. Só que nós somos seres humanos, sendo assim somos cheios de defeitos, e o nosso maior defeito é pensar igual a maioria. Porque o Brasil não tem bandas de rock realmente conhecidas como tinha antes? Porque a mídia nos impõe a política do pão e circo, mas a culpa não é totalmente da mídia, a culpa é nossa por aceitarmos isso. Imaginem uma banda surgir do nada, cantando suas músicas pesadas e falando mal do sistema político brasileiro, não ia ser um bom negócio pra mídia divulgar isso. Por que? Por que as criticas das músicas fariam o povo pensar. Os chefes odeiam que você pense, e a mídia é o chefe do Brasil. Eles querem um povo burro o suficiente pra acreditar que a felicidade esta na cerveja que tomam, nas roupas de marca que usam e na novela das nove. Saiam da modinha, usar um all star e uma calça rasgada não é o suficiente pra fazer esse país andar conforme queremos que ande, conforme ele deve andar, mas nunca andou. Tenha idéias, debata sobre assuntos, um grupo de revolucionários é feito para debater sobre idéias, não para pegar frases clichês do facebook, escrever em cartazes e sair batendo panela na rua. Isso não muda porra nenhuma! Este texto não muda porra nenhuma, por que logo vocês vão esquecer de tudo isso, mesmo que a indignação de ter a verdade esfregada na sua cara seja inevitável, isso vai passar e todos nós voltaremos a nossa vida pacata e comum, a vida que ninguém nunca quis ter, mas no fim, quem não luta acaba tendo.

Então eu entrei no mundo da jogatina

Posted in Inútil with tags , , , , , on junho 5, 2012 by brunoldw

Quem me conhece ou acompanha o blog já sabe que desde criança eu sou fanático por jogos, tanto faz o estilo, virtual ou não, sou simplesmente apaixonado pela jogatina. Minha infância e boa parte da minha adolescência eu passei na frente de um video game ou computador, desbravando mapas e matandos os chefões feios que o universo gamer tinha pra me oferecer. Acredito que esse meu fascínio por jogos virtuais se dava pela minha falta de capacidade de vencer em jogos reais, como futebol por exemplo (até hoje não sei jogar futebol deu ma maneira aceitável). Mas quem diria que eu iria agora me viciar em jogos como snook e poker. Sim! Jogos típicos de bares, mas que tem uma emoção incomparável com as dos jogos virtuais.

Talvez seja pelo fato de eu ter amigos semi-drogados que me fez frequentar mais bares que eu tomei gosto por esse estilo de jogo, ou ainda pela promessa de dinheiro fácil dos jogos de carta, os quais eu não aposto pois minha habilidade nos mesmos é comparada a de um cachorro cego e sem patas, tanto nas cartas quanto no snook  (ou snooker?), porém minha sorte ajuda as vezes.

Eu jogando na época em que minha saúde estava boa

O unico problema enfrentado até agora em relação a esses jogos foi a dificuldade de conseguir dinheiro pra jogar, mas como todo bom adolescente com amigos generosos eu sempre consigo gente e dinheiro pra jogar. Hoje por exemplo nós saímos mais cedo da escola e não tinhamos nada de grana, conseguimos $3,10 e fomo pro bar. Isso gerou uma hora e meia de tacadas destruidoras de bolinhas e gritos a cada maldito erro que alguém cometia. Agora licença que eu voltarei pro pokerstars perder dinheiro virtual, pois dinheiro de verdade eu não tenho mesmo.

Finalmente! A tão esperada mudança.

Posted in Inútil with tags , , on maio 17, 2012 by brunoldw

Durante tanto tempo confinado nesse maldito bairro conhecido entre meus amigos mais próximos como
nárnia, chegou a hora do menino camponês aqui se tornar um verdadeiro homem da cidade (ta, exagerei). Dia 23/05, guardem esse dia em suas cabeças, pois esse será o dia que finalmente irei morar perto dos meus amigos(a maioria deles, eu tenho amigos no meu bairro também ok?). Agora será mais na rua
do que na internet, principalmente porque provavelmente a internet será vetada por meu excelentíssimo papai após ele ver meu boletim.

A mudança ja está trazendo algumas coisas boas, como por exemplo as revistas em quadrinhos que eu achei nas minhas gavetas quando estava arrumando minhas coisas, o baralho de uno(que hoje foi a principal matéria da  aula) e as carteirinhas escolares desde 2006. Além disso poderei receber meus
amigos em minha futura casa sem fazê-los andarem 30 minutos num ônibus em um caminho que tem um  visual digno de estar em senhor dos anéis (leia: é só mato). Lembro-me agora do dia que viemos a pé desde a escola, levou aproximadamente 3 horas, imagina 2 fumantes e um aprendiz de fumante caminhando no sol por 3 longas horas na estrada de terra, sem camisa e com caminhoneiros passando jogando poeira nas nossas caras abatidas pelos nossos longos 17 anos de vida. Mas nem tudo são flores né.

Uma das coisas que irão ocorrer após a mudança será meus amigos chegando na minha casa sem avisar e  me flagarem coçando o escroto enquanto jogo video-game e converso com alguns pedófilos internéticos.
Isso se da pelo fato de eu não receber visitas não programadas nesse maldito bairro, mas foda-se, provavelmente vão se juntar a mim. Aliás, mulheres, não reclamem que nós coçamos o saco, ele foi feito pra isso, assim como os pássaros foram feitos para voar e cagar (só servem pra isso).

Segundo um amigo meu, a mudança será um teste de resistência para o meu fígado e pulmão, porque se eu ja saio pra beber com eles morando em um lugar que nem ta no mapa (realmente não está) imagina morando a menos de 100 metros, vish.

*PEGUEM O POMBO, PEGUEM O POMBO, PEGUEM O POMBO AGOOOOOOOOOOOOOOOOOOORA* <<<<to com essa música na cabeça,
nada demais.

Algumas coisas que vocês provavelmente não sabiam sobre mim

Posted in Inútil with tags , , , , , on maio 2, 2012 by brunoldw

E talvez nem queiram saber, mas foda-se o blog é meu muahuahuah

 Resolvi fazer essa lista de merda porquê ano passado essa porra era moda entre os blogueiros, não que eu me considere um blogueiro já que faz um mês ou mais que não posto nada. Eu não coloquei um número de coisas porque não tenho certeza se tem tanta coisa assim pra contar. Enfim, foda-se e vamos a lista:

1)Quando eu era criança meu sonho era ir pro exército: Tudo bem, nada anormal, quase todo menino tem o sonho de ir pro exército. Acho que isso é incentivo dos jogos e da mídia etc. Também tinha aquela coisa de “não serviu não é homem” ou algo assim, mas isso não me preocupava, eu só queria ir pro exército mesmo porquê achava realmente uma coisa muito fodásticamente foda.

2)Eu quase morri quando era criança: Essa ai é foda. Seguinte, eu tava doente (não sei o que eu tinha e nem tem como lembrar porque eu era uma criança cagona e chorona na época) e minha mãe me levou no médico, ele receitou 15ml de um remédio lá. Agora para pra pensar: Quando na vida tu ja tomou 15ml de um remédio? Nunca! Claro que foi um erro do médico. Enfim, minha mãe comprou o remédio e quando chegou em casa e leu a receita viu que 15ml era um número meio alto, então resolveu me dar uma dose de 5ml pra não correr riscos. Eu fiquei roxo, sem ar, se não me engano eu tava engasgando com uma espuma que tava saindo da minha boca sei lá, só sei que eu precisava ir ao hospital. Detalhe: Eu moro a 15 kilômetros do hospital mais próximo, minha mãe tava sozinha em casa e a gente não tinha carro na época. O jeito foi ela pedir carona na estrada e chegou no hospital comigo quase morto, mas dei sorte e hoje tenho um blog que serve pra contar essas merdas.

3) Eu ja encostei no meu próprio osso: Ok, eu sei que isso parece meio idiota mas foi assim: Estava eu esperando meu primo vir pra minha casa brincar (eu devia ter uns 5 anos) e eu estava pendurado na cerca da minha casa (na época era de madeira), eu escorreguei e minha perna passou por dois pregos e cortou em dois lugares. Na hora eu não tava sentindo dor porque tava desesperado, minha irmã me levou no cara que dirige ambulância que morava aqui perto pensando que ele devia ter algumas instruções de primeiros socorros ou sei la, mas o cara me deu uma mangueira, ligou a torneira e falou “lava ai”. PORRA MANO COMO ASSIM LAVA AI CARALHO! Mas eu era uma criança burra (agora sou adolescente burro) e lavei, tive que lavar la dentro do maldito ferimento pra limpar aquela merda, tive que colocar a mão no machucado e tal e eu sentia que tava encostando no meu osso velho, só não senti dor porque como eu disse eu tava muito apavorado. No fim a gente acordou meu pai (que tinha trabalhado a noite toda) e ele me levou pro hospital pra mim tomar mais 7 pontos que se tornariam mais tarde uma parte da minha coleção de cicatrizes (a próxima curiosidade é sobre uma cicatriz também).

4) Eu quase fiquei cego: Dois grupos de crianças, uma rua vazia, pedras e taquaras com pregos na ponta. Quando que isso ia dar boa coisa? Nunca! Estava eu com meus amigos brincando feliz na rua de casa, quando a gente teve a infeliz idéia de fazer uma guerra entre dois grupos. Era uma mulecada de um lado da rua tocando pedra na mulecada do outro lado da rua e vice-versa. Mais uma vez na nossa brincadeira age o espirito de servir ao exército, eu fui de suicida pro lado do grupo rival com uma taquara com um prego na ponta (que era de uma cerca, sei la) enquanto eles estavam todos escondidos no pátio de um vizinho. Tinha uma cerca que não deixava eu ver o interior do pátio, só se eu aparecesse na frente do portão, e foi o que eu fiz. Mas eu não esperava que os rivais também tivessem pensado na taquara com pregos, na hora que eu fiz a curva da cerca pro portão o cara do outro grupo cravou a taquara a mais ou menos MEIO CENTÍMETRO do meu olho, quando a gurizada viu aquele sangue escorrendo se apavoraram e começaram a se desesperar feito umas putas. Mas no fim foi só uma cicatriz pequena (que eu menti pra minha mãe que tinha batido de cara no portão porque se não ia foder a vida do cara que quase furou meu olho).

5) Eu ja fiquei hospitalizado por mais ou menos duas semanas, e não me lembro de quase nada: Na época que eu tinha mais problemas respiratórios (ainda tenho, mas não preciso tomar remédio nem nada, é só eu não correr que ta de boa) eu tinha uns ataques meio loucos as vezes. Talvez isso tenha colaborado pra minha hospitalização sei la, sei que era pontada tripla o que eu tinha (foi o que me disseram), provavelmente isso não tem nada a ver com problemas respiratórios né, mas foda-se eles devem ter contribuido. Eu não tinha muita noção de tempo, acordava no meio da noite, as vezes ficava inconsciente e falavam que eu tirava os tubinhos chatos aqueles. Eu ja estudava naquela época e as professoras se deram o trabalho de levar as matérias pro hospital pra mim não perder aula… nem morrendo o cara se livra da escola. Só lembro que eu comi carreteiro e gelatina de sobremesa no ultimo dia que fiquei no hospital e tava bom pra caralho (espirito de gordo faz você lembrar das coisas).

No que a vida nos transforma

Posted in Inútil with tags , , , , , on março 28, 2012 by brunoldw

Não, esse não é um post sentimental… fiquem tranquilos ai

 Olá, hoje resolvi falar um pouco sobre uma coisa que notei um tempo já, estava eu andando na rua com um cigarro na boca, atrasado pra escola e pensando nos meus problemas quando eu penso: CARALHO, COMO EU MUDEI. Parem pra pensar, quando vocês eram crianças por exemplo, vocês tinham vários sonhos e objetivos para quando chegassem na adolescência/fase adulta. A maioria desses sonhos não existem mais, por desistência ou sei lá…

 Tentem lembrar ai, vocês quando eram crianças passavam o dia inteiro vendo desenho, comendo porcaria e correndo na rua. Hoje vocês passam o dia vendo desenho, comendo porcaria e reclamando no twitter de como a vida ta dificil… É sério, os menininhos que antes viam barney o dinossauro e odiavam as menininhas agora vêem pornografia o dia todo e saem por ai falando que são pegadores.

 Se vocês pararem pra pensar a gente mudou pra melhor, em partes… que nunca olhou as suas fotos antigas e pensou: “cara, como eu saía assim na rua?” (eu ainda me pergunto como eu saio assim na rua), ou então lembrou de uma situação vergonhosa da infância que na época não foi vergonhosa porque não eramos maduros os suficiente pra perceber a monumentalmente gigante merda que estavamos fazendo. Por um lado isso é bom, não fazemos mais coisas tão vergonhosas. Mas por outro lado, a vergonha veio junto com isso… quando eu era criança eu era tão puro (cara, o “r” deveria ser mais longe do “t” no teclado… digitar a palavra “puRo” erroneamente pode foder com a vida de um homem) que tava pouco me fudendo pro que os outros pensavam, mas ai conheci os manolos que cometiam bullying com os puros e dai fudeu tudo.

 Vo tenta demonstrar com imagens o que a vida faz com uma pessoa…

 Eu era assim:

E fiquei assim:

 Caralho, eu era uma criança apertável… e virei isso ai que vocês tão vendo… até desanimei pra continuar o post. Tchau.

Os mistérios de um lugar chamado “area verde”

Posted in Inútil with tags , , , , , , on fevereiro 25, 2012 by brunoldw

*música de suspense*

 Bem, como “prometido” ontem (prometido entre aspas porque eu não prometo nada, não devo nada a vocês seus pau no cu… mentira amo vocês) cá estou eu, com um pouco de sono e cansado de atender clientes que tive que tirar da cama a força pra pagar o que estavam devendo, unicamente pra postar sobre a “area verde”, esse lugar onde se encontram as mais variadas espécies de criaturas que você deseja que sejam mortas por um caminhão com espinhos no para-choque…

 Vou tentar explicar pra vocês como eu vejo a area verde (também conhecida por “av” pelos guaibenses). Bom, a area verde é o típico lugar em que todo mundo se encontra pra fazer o que bem entender da vida, seja beber, fumar, conversar fazer sexo ao ar livre , jogar polo, praticar natação, praticar tiro esportivo (nos maloqueiros das redondezas) e etc. Resumindo, é o lugar que os adolescentes vão pra pegarem uns aos outros, fumar maconha e fazer qualquer outra merda que faça você chegar em casa com a sensação de  “podia ter ficado em casa vendo naruto” … ta eu odeio naruto só pra vocês saberem.

 A area verde é vista por quem nunca visitou como uma merda de lugar, ai quando você chega lá, você vê que realmente você estava ofendendo a pobre merda… Sério, é um lugar tão sem graça que as vezes eu gostaria mais de ir pra casa da minha vó do que pra av… não, melhor a av mesmo. Ta, mas ai tu me pergunta “se esse lugar é tão de merda que nem tu fala porquê tu vai? *uhhh duhh* ” e eu respondo: PORQUÊ É O QUE A MERDA DA CIDADE OFERECE, AQUI NÃO TEM SHOPPING, NÃO TEM CINEMA, NÃO TEM NEM UM HOSPITAL FUNCIONANDO DIREITO… TEM QUE DA DE PICA MOLE NA CARA DO PREFEITO DESSA CIDADE!

 Tirando isso, a area verde é um lugar agradável. Na verdade o que faz a av tão interessante a ponto de me tirar de casa nos domingos a tarde são os meus amigos e as pessoas que eu encontro lá.  Quer um lugar pra cometer bullying com o próximo é a av. Mano, eu sei que não sou um exemplo de moda e muito menos de beleza, mas quando tu ve as pessoas que passam naquele lugar, tu tem vontade de correr até a pessoa, dar uma voadora de dois pés com toda a educação do mundo e torcer pra que ela caia na frente de um caminhão carregado de bois com a doença da vaca louca importados da bolivia e com sede de sangue guaibense.

 Ta, tudo bem, o lugar é uma merda e só é legal por causa dos amigos, todo mundo entendeu. Mas porque o diabo do nome é area verde? Eu não sei como aquela porra foi parar lá, mas é o resto do centro da cidade que ainda tem umas árvores e grama e tem vista pro glorioso e poluido rio (ou lago) guaiba. Eu ia colocar uma foto do lugar mas só tem fotos com pessoas junto (quem ia tirar foto de mato?) e não quero ninguém me processando, como vo cria meus filho e paga um advogado?

 Por hoje é só pessoal (isso me lembra muito minha infância), vou tentar postar segunda, caso não conseguir vocês que se fodam, quando eu puder eu posto.

%d blogueiros gostam disto: